O surfista diante da onda: como encarar a mudança !

Descontraindo

Estar naqueles poucos centímetros à frente da superfície da água que se desloca faz a grande diferença entre quem aproveita a onda, quem se afoga nela e quem a observa de longe.

A história humana se divide em ondas e cada uma representou mudanças. Reviravoltas que nos obrigaram a sairmos da zona de conforto e entrarmos em processo de revisão pessoal e coletiva, percebendo, com mais senso crítico e lucidez, o que estava ruim e era preciso melhorar e o que estava bom e poderia ser ainda mais aperfeiçoado.

Entender essa dinâmica da vida e da história faz uma grande diferença na digestão das mudanças. A vida e o
mar têm tudo a ver entre si. Num dia ele estão calmos, serenos. Sutilmente, começam a se agitar. Quando menos se espera, tornam-se revoltos, jogando pra lá e pra cá tudo aquilo que neles está imerso. Dependendo do tamanho da onda, ela nos engole.

A onda está para o mar o que a mudança está para a vida. Se nos pega despreparados, sem fôlego ou habilidade alguma para com ela lidar, ela nos sacode, nos joga contra as pedras, nos esfola contra a areia. A inocência, em meio à mudança, pode ter efeito drástico, quando não fatal para a nossa auto-estima. A inocência em meio à uma grande ressaca também traz grandes prejuízos para quem é pego desprevenido.

O comportamento de um surfista nessa hora ajuda e muito. Entender a mudança como uma onda requer, em princípio, visão de futuro. Primeiro se analisa o presente, que pode ser de calmaria, desenvolvendo a capacidade de perceber a mudança se processando, muitas vezes ainda leve, superficial.

Ao invés de fugir, dirige-se à ela, para posicionar-se corretamente. Chega então a hora de remar forte, para alinhar-se com a onda e colocar-se no ponto certo, no ?ponto G?. É ali que a curvatura e a velocidade se combinam como em nenhum outro ponto da onda. Vem então a hora extrema: mobilizar toda sua força para ser um pouco mais rápido que a onda para, enfim, usar a energia dela como um impulsionador do seu próprio desenvolvimento.

Estar a meio metro atrás desse ponto significa, no jargão, tomar um caldo, uma ?vaca? e, provavelmente, engolir água ou se esfolar. Estar a dois metros atrás desse ponto significa olhar a mudança pelas costas. Mesmo compreendendo que ela está logo dali, neste ponto não dá para fazer nada além de observar o deslize de outros.

Estar muito à frente da mudança pode até representar uma visão apurada de futuro, mas fisicamente é preciso recuar para aproveitar o momento certo. Estar naqueles poucos centímetros à frente da superfície da água que se desloca faz a grande diferença entre quem aproveita a onda, quem se afoga nela e quem a observa de longe.

Por Eduardo Zugaib

Anúncios


Categorias:Diversos

Tags:,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: